Governo prevê edital para o Ciência sem Fronteiras no fim do ano

Ciência sem Fronteiras

Programa que incentiva a expansão e internacionalização de estudantes do ensino superior, fornecendo bolsas, o Ciência sem Fronteiras deverá abrir edital no final deste ano. Dessa vez, o programa poderá sofrer algumas alterações.

Ainda não se sabe precisamente quais serão essas modificações, porém é especulado que exista um corte de verbas no orçamento do Ministério da Educação, afetando o Ciência sem Fronteiras e o Pronatec. Em meio a essas questões administrativas, alguns atrasos nos pagamentos de mensalidades e taxas para as universidades americanas têm causado problemas. Diante disso, o governo brasileiro tem sido visto com desconfiança e prejudicado alguns alunos.

Neste ano, estudantes tiveram que voltar antes do previsto por problemas com esses pagamentos. Não receberam suas bolsas, perderam a chance de fazer os estágios pretendidos e, alguns, acabaram retornando ao Brasil mais cedo.

Apesar de não estar disponível para todos os cursos superiores, o Ciência sem Fronteiras está no ar desde de 2011 e tem alcançado estudantes de boa parte do Brasil e feito bastante sucesso, como experiência acadêmica, pessoal e profissional. Intercâmbio é uma ótima forma para aprender, conhecer novas pessoas e lugares, otimizar o currículo, ser independente e se atualizar (mudar jeito de pensar, hábitos, cotidiano).

Além das aulas, os alunos contemplados pelas bolsas ainda têm a oportunidade de estagiar; mais um adendo para o currículo. Dependendo do curso, uma nova possibilidade apareceu para os estudantes da graduação: a chance de fazer estágio na NASA (National Aeronautics and Space Administration). O projeto também tem buscado fontes do exterior, trazendo pesquisadores internacionais para o Brasil.

Ainda que surjam alterações, desde o ano passado o programa já foi renovado e mais 100 mil bolsas de intercâmbio estão garantidas até 2018. Uma ótima chance para todo estudante.

Mail