Intercâmbio em Wellington: confira 6 motivos para embarcar

intercâmbio em Wellington

Há pouquíssimo tempo, poucos conheciam a Nova Zelândia. Esse pequeno país insular banhado pelas águas do Pacífico ganhou popularidade ao servir de cenário para os filmes da série “O Senhor dos Anéis”. No entanto, a nação é muito mais do que suas paisagens exuberantes, e fazer um intercâmbio em Wellington, sua capital, é uma ótima pedida.

Apesar de a sua história só ter começado a ser escrita recentemente, a cidade é uma excelente opção para pessoas que buscam aventuras e adrenalina, sem abrir mão de uma boa dose de cultura.

Quer fugir do óbvio e escolher um destino diferente para seu intercâmbio? Continue lendo este artigo e confira os principais motivos pelos quais Wellington é o lugar certo para você dar esse novo e empolgante passo. Boa leitura!

Wellington: conheça a cidade

O território da Nova Zelândia é dividido em diversas ilhas, sendo duas as principais: a Ilha Sul e a Ilha Norte. Wellington, a capital neozelandesa, está localizada no extremo sul da Ilha Norte.

A cidade abriga diversos estilos diferentes e é capaz de agradar tanto aqueles que gostam da vida agitada dos grandes centros quanto os que buscam uma vida mais tranquila. Recheada de parques e áreas de lazer, ela é também uma boa opção para famílias.

Sua localização geográfica é privilegiada e possibilita grandes ganhos econômicos e turísticos para a cidade. Além disso, é graças a isso que o destino é conhecido como “Windy Welly“, ou “Wellington Ventosa”, para os mais íntimos. Por conta dos ventos fortes, o clima é considerado ameno e confortável durante todo o ano, sem grandes extremos de frio ou calor.

6 motivos para fazer um intercâmbio em Wellington

1. Ótimas escolas e universidades

O cuidado com a educação é um diferencial de Wellington, que tem um dos melhores sistemas educacionais do mundo. A cidade conta com universidades de ponta, como a Victoria University of Wellington e a Massey University. Ambas têm uma excelente reputação mundial e estão entre os 100 melhores programas do mundo.

Se uma formação universitária não estiver em seus planos, há várias opções de cursos profissionalizantes, que preparam para o mercado de trabalho. E não se preocupe caso o seu inglês não seja avançado o bastante para algum curso de graduação, pois a cidade apresenta várias opções de escolas conceituadas, que ensinam o idioma dos níveis básicos aos mais avançados.

2. Muitas oportunidades de emprego

A Nova Zelândia é um dos poucos países em que os intercambistas podem estudar e trabalhar ao mesmo tempo. Além de ajudar nas despesas, o emprego melhora o inglês e você conhece pessoas novas. Em Wellington, há muitos empregos temporários, especialmente para as pessoas que vão para lá com os dias contados.

Estudantes que se matricularem em cursos de, no mínimo, 14 semanas em escolas de nível 1, segundo o New Zealand Qualifications Authority, têm o direito de trabalhar. Para escolas de nível 2, o estudante necessitará cursar, no mínimo, 24 semanas e ter nota mínima de 5,5 no IELTS. Nos dois casos, é permitido trabalhar até 20 horas semanais.

3. Alto nível de segurança

Um dos principais motivos para fazer intercâmbio em Wellington é a sua segurança. De acordo com uma pesquisa feita pelo Deutsche Bank, que analisou cerca de 60 cidades, ela foi considerada um dos locais mais seguros para se morar em todo o mundo. Sua baixa taxa de criminalidade é consequência de um programa de monitoramento constante feito pela polícia por meio de câmeras.

Além da criminalidade, o seu sistema de saúde é considerado bom e registra poucas doenças endêmicas. Apesar de haver a possibilidade de ocorrerem terremotos, a cidade é preparada para qualquer situação de emergência que possa vir acontecer e tem uma ótima infraestrutura.

4. Várias opções de atrações culturais

Os estudos em Wellington não se resumem às salas de aula. Lá, o aprendizado também ocorre no dia a dia, já que a cidade é famosa por ser um polo cultural repleto de atrações, como o Museu Te Papa Tongarewa, que conta a história do país, da cultura Maori e da sua arte.

Além do museu, a Old St Paul’s Cathedral é um passeio inesquecível. Trata-se de uma igreja anglicana feita toda de madeira, construída entre 1865 e 1866, em estilo neogótico. É possível visitar também o Parlamento neozelandês — carinhosamente chamado de Beehive, por se parecer com uma colmeia —, que tem visitas guiadas e gratuitas pelo seu interior.

5. Diversidade de etnias

Embora muito distante de nós, a Nova Zelândia tem uma história paralela à brasileira. O povo Maori foi o primeiro a chegar ao território neozelandês, que posteriormente serviu como uma colônia britânica. Por conta disso, o país conta com uma enorme miscigenação de raças e, hoje, Wellington é considerada uma capital do mundo, recebendo povos de variadas etnias.

Atualmente, cerca de 70% da população de Wellington se declara como europeia, 14% como asiática e 7% como Maori. O restante dos números abrigam etnias diversas, como os povos de outras regiões banhadas pelo Pacífico, os latinos e os africanos.

6. Várias opções de lazer

Wellington oferece o melhor de dois mundos: além de contar com várias possibilidades de lazer ao ar livre e de contato com a natureza, a cidade tem uma riquíssima vida noturna e diversos estabelecimentos que garantem a diversão.

Por isso, não faltam opções para o lazer. Entre as alternativas mais populares, podemos citar o Cable Car (um bondinho que sai a cada dez minutos e passa por vários locais, como o Jardim Botânico e o Cable Car Museum), o Mount Victoria e o Museu Te Papa.

Viu como fazer um intercâmbio em Wellington é uma opção incrível? A cidade é muito bem localizada e conta com passeios que agradam a gregos e troianos. Assim, é possível unir o útil ao agradável e se divertir com as inúmeras alternativas de lazer e atrações culturais que o destino oferece enquanto estuda.

E aí, gostou de conhecer os pontos positivos de fazer um intercâmbio em Wellington? Então, entre em contato conosco para dar o primeiro passo rumo a essa nova jornada!

Mail