Entenda os 8 erros que um intercambista não pode cometer

erros que um intercambista não pode cometer

Realizar um intercâmbio é um sonho para muitos, além de ser uma incrível oportunidade de amadurecimento e um diferencial para qualquer currículo. No entanto, existem diversos erros que um intercambista não pode cometer e que podem dificultar bastante a experiência.

Por isso, antes de embarcar para um novo país e mergulhar em suas diferenças culturais e sociais, é essencial levar alguns fatores em consideração. Dessa forma, problemas desnecessários são evitados e a viagem é muito mais bem aproveitada!

Mas, afinal, quais são os erros que devem ser evitados a todo custo e como prevenir que eles ocorram? Pensando em sanar as suas dúvidas, preparamos um artigo para compartilhar dicas que garantirão uma viagem mais tranquila e produtiva. Boa leitura!

1. Não fazer um bom planejamento

Embora seja uma experiência incrível, não dá para negar que estar em um lugar novo, com pessoas desconhecidas, é um tanto assustador, não importa a sua idade ou quantidade de sabedoria.

Por isso, é imprescindível que o intercambista faça um bom planejamento, que englobe diversas áreas. Isso quer dizer que os planos não devem se resumir ao campo financeiro, mas incluir também os aspectos culturais e sociais do local que será visitado.

Portanto, pesquise bastante! A internet está aí repleta de informações, vídeos e fóruns para que você comece a se familiarizar com o ambiente antes mesmo de desembarcar. Além disso, coloque todos os seus possíveis gastos no papel e faça uma estimativa realista do que poderá ser gasto e com o quê.

2. Não preparar toda a documentação necessária

Além do planejamento citado no tópico anterior, é necessário tomar cuidado extra com a documentação necessária para a obtenção do visto de estudante. Ter toda a papelada em mãos evita problemas desnecessários e facilita muito todo o processo do intercâmbio.

Para conseguir o visto, o estudante precisa comprovar alguns requisitos obrigatórios, determinados pelo Departamento de Imigração do país de interesse. Eles podem envolver pontos como saúde, finanças e outros fatores.

Embora possam variar de acordo com o país de destino ou a instituição em questão, os documentos mais importantes normalmente são:

  • comprovante de matrícula;
  • seguro de saúde;
  • histórico escolar;
  • comprovantes de recursos financeiros (extratos bancários, holerites, fundos de poupança etc.).

É importante sempre entrar em contato com o órgão responsável ou pedir auxílio da agência que está cuidando de seu intercâmbio para verificar toda a documentação necessária.

3. Deixar para fazer compras necessárias no local de destino

Um dos momentos mais esperados por boa parte dos estudantes é ir às compras no local escolhido para viver temporariamente. Conhecer novas vitrines e novos produtos pode ser muito divertido, mas deve ser feito com bastante cuidado.

Mesmo que você tenha planejado suas finanças cuidadosamente, é difícil se preparar para os preços que serão encontrados nas lojas do país de destino. Além disso, nem sempre chegamos a um novo local com o ânimo necessário para ir às compras.

Por conta disso, leve itens essenciais já em sua mala. Eles devem servir por algumas semanas, até que você esteja bem habituado ao local e se sinta confortável para sair em busca de preços e oportunidades nas lojas da cidade.

4. Encarar o intercâmbio como uma viagem de férias

Um dos principais erros que um intercambista não pode cometer é encarar essa oportunidade como um longo passeio. É claro que o intercâmbio pode (e deve) ter seus momentos de distração e lazer, com passeios e uma boa exploração do local. Mas isso não é tudo.

Muitos intercambistas acabam se esquecendo do objetivo principal, estudar, e acabam perdendo tempo com outras atividades. Além de ser um desperdício de uma ótima oportunidade, isso faz com que o aprendizado não seja suficiente.

Para evitar essa situação, divida o seu tempo com sabedoria e não deixe suas responsabilidades de lado. Leve os estudos a sério e tire máximo proveito dessa experiência, aprimorando seus conhecimentos no idioma e na área escolhida enquanto faz novos amigos e se diverte.

5. Não escolher o curso certo para você

O intercâmbio é uma experiência incrível. Com ele, você conhecerá um lugar completamente novo, entrará em contato com uma cultura diferente e fará amizades com pessoas de todo o planeta.

No entanto, isso não é tudo e a escolha do curso deve ser pensada com tanto carinho quanto todos os outros pontos da viagem. Afinal de contas, será ele que preparará o seu currículo e definirá parte dos caminhos que serão trilhados dali em diante.

Há diversas opções para pessoas e objetivos diferentes. É possível escolher, por exemplo, entre cursos high school, técnicos, de inglês geral ou até mesmo graduações, pós-graduações e doutorados. Verifique bem quais são as suas necessidades e expectativas e escolha a opção certa para você.

6. Levar o dia a dia como um turista

A maioria de nós está habituada a visitar um novo local e fazer o bom e velho passeio turístico, que envolve os principais pontos da cidade, como os monumentos e prédios históricos. Além disso, jantamos nos restaurantes mais badalados e visitamos as praias mais famosas.

Na prática, no entanto, isso não é tão benéfico para os intercambistas, que devem ter em mente o foco nos estudos. Além de mais caros, esses locais podem não fornecer uma real imersão cultural no país.

Por isso, além de visitar os pontos turísticos, busque experiências únicas e lugares que sejam famosos entre os habitantes daquele lugar. Embora eles não estejam listados nos melhores guias de viagem, é assim que você se misturará melhor com a galera e conseguirá preços muito melhores.

7. Andar somente com brasileiros

Esse é um erro bastante clássico e cometido pela maioria esmagadora dos intercambistas. Antes de iniciarmos a explicação, é importante salientar que fazer amigos brasileiros é um passo importante do intercâmbio. Com eles, você se sente um pouco mais em casa e forma uma boa rede de suporte em um país estrangeiro.

Dito isso, devemos dizer que o erro está em fazer apenas amigos brasileiros. Parte da imersão em uma nova cultura consiste em fazer amizade com nativos do local, que podem mostrar a cidade por uma perspectiva completamente diferente daquela apontada em guias de viagem ou na internet.

Além disso, conhecer pessoas de outras nacionalidades, mas que estejam no mesmo barco que você, pode ser uma maneira de diversificar o grupo de amigos e conhecer culturas ainda mais diferentes, favorecendo o seu amadurecimento e trazendo mais conhecimento para a sua vida.

8. Não contar com a ajuda de uma agência especializada

Por fim, mas não menos importante, um dos erros mais graves que podem ser cometidos por intercambistas é subestimar a importância de uma agência especializada no assunto e achar que podem lidar com tudo completamente sozinhos.

Embora seja possível planejar uma viagem como essas sozinho, isso não significa que seja a melhor ideia, não é mesmo? Afinal de contas, agências contam com uma equipe treinada para resolver questões burocráticas complicadas sem que você tenha de esquentar sua cabeça com isso.

Além disso, lembra-se dos amigos brasileiros que servirão como rede de suporte em caso de necessidade? A agência faz esse papel. É ela quem presta socorro aos intercambistas nos mais variados casos, ajudando-os a conseguir empregos ou moradias, entre outras inúmeras questões.

E aí, gostou de conhecer os principais erros que um intercambista não pode cometer? Ao seguir nossas dicas, você está investindo em uma viagem prazerosa e sem intercorrências que podem estragar todo o seu planejamento. Agora basta pôr a mão na massa e se preparar!

Ficou com alguma dúvida? Não deixe de entrar em contato com a gente! Nossa equipe está à disposição para bater um papo e responder às suas perguntas!

Mail