Intercâmbio de férias para adolescentes: o que você precisa saber

intercâmbio de férias

Ter a oportunidade de estudar fora é um grande diferencial para a formação profissional e o amadurecimento pessoal dos adolescentes, isso todos os pais já sabem, não é verdade? Porém, vários deles vivem uma indefinição quando se trata de escolher o melhor programa para os seus filhos, de modo que tenham uma experiência muito mais diversificada e completa enquanto estão em outro país. Um exemplo disso é o intercâmbio de férias.

Muitos querem saber como funciona, o que é, quais as vantagens, a duração, onde os jovens se hospedam etc. Por conta disso, preparamos este post que reúne as principais questões sobre o tema e explicamos todas elas para que não restem dúvidas. Confira!

Afinal, o que é, como funciona e o que ocorre durante um intercâmbio de férias?

O intercâmbio de férias nada mais é do que um tipo de programa multifacetado e focado para agradar em cheio aos mais jovens que querem aproveitar o recesso escolar para fazer um curso de idioma no exterior.

Isso porque, além de contar com as aulas para o desenvolvimento da fluência na língua desejada (como o inglês), ele oferece atividades extracurriculares para que os alunos possam se divertir e ter uma experiência única durante as férias.

Para tanto, são organizadas aulas em um determinado período do dia (manhã ou tarde), enquanto o tempo livre é destinado aos passeios culturais, às viagens, à prática de esportes e muito mais — sempre, é claro, com a devida supervisão de instrutores/professores.

Quais as principais vantagens?

Ao vivenciar aulas junto com atividades fora da sala de aula, o adolescente tem a possibilidade de exercitar a segunda língua em diferentes contextos e ambientes enquanto conhece mais do país onde está vivendo temporariamente — o que aumenta a segurança, a desenvoltura e o domínio sobre o idioma.

Fora isso, ele desenvolve maior nível de socialização e experimenta uma troca cultural muito maior com os colegas (que são de outras nacionalidades), os professores e, inclusive, os locais com que tem contato no dia a dia.

Há, inclusive, quem aproveite o convívio com pessoas de vários cantos do mundo para não só fazer amizades, mas principalmente conhecer sobre a história, entender outros modos de vida e até mesmo se aventurar no aprendizado de outras línguas (como o espanhol, o francês, o alemão etc.).

Também vale ressaltar que, ao fazer esse tipo de programa, não é preciso que o jovem perca ou atrase o ano letivo no Brasil, pois ele é realizado justamente no recesso escolar.

Qual o período médio do intercâmbio de férias?

Essa é outra dúvida comum sobre o tema. No entanto, não há uma única resposta, pois as aulas iniciam toda semana e a duração do programa é totalmente flexível, dependendo do intercambista — isto é, o tempo que ele deseja passar no exterior, as experiências que espera viver, o nível de inglês que já tem e por aí vai.

Para completar, é possível fazer o programa tanto em julho quanto nos meses de dezembro e janeiro. Por isso, saiba que o período mínimo de estadia é de uma semana; e o máximo, já que estamos falando de um intercâmbio de férias, pode ser de até oito semanas ou até começar as aulas no Brasil.

Mas se você tem disponibilidade para passar mais tempo fora do país de origem, poderá permanecer até doze semanas com o visto de turista que é o mais simples de conseguir e ainda voltar com o inglês bem afiado.

Onde os adolescentes ficam hospedados?

Durante o programa, os adolescentes contam com a oportunidade de ficar em uma residência estudantil em quartos individuais ou compartilhados — quando a instituição de ensino dispõe desse espaço — ou se hospedar em uma casa de família em quarto individual ou duplo, recebendo todo o cuidado da host family.

O grande diferencial dessa segunda modalidade de hospedagem (chamada homestay) é, sem sombra de dúvidas, a chance que os jovens têm de praticar a todo momento a língua, não só dentro da escola ou com colegas, mas com pessoas locais.

Mas não só isso, já que eles também vivenciam os costumes, as tradições e os hábitos dos nativos que se manifestam nos mais diferentes aspectos da rotina, desde a alimentação até as formas de lazer. Ou seja, é uma imersão completa na realidade do país.

Qual a idade adequada para fazer esse programa?

Como se trata de um programa voltado para os adolescentes, o indicado é que os alunos tenham entre 13 e 18 anos. Porém, o fato de esses intercambistas serem menor de idade não significa que eles vão ficar sozinhos e terão de se virar por conta própria no exterior.

O motivo disso é que, como falamos no item anterior, a hospedagem em uma homestay é a opção mais indicada e ela vai prestar todo o apoio que eles precisarem e servir como responsável caso o adolescente não tenha nenhum familiar no país de destino. Sem falar que ainda há a agência de intercâmbio, que desempenhará um papel fundamental tanto no decorrer do processo de escolha do intercâmbio quanto na adaptação deles no país.

É justamente por essa razão que é indispensável escolher uma empresa séria, com histórico e reconhecimento no mercado, que conte com consultores qualificados e escritórios nos destinos onde disponibiliza opções de curso. Além disso, é essencial que a agência ofereça todo o suporte necessário a assuntos como:

  • seguro viagem;
  • passagem aérea;
  • tradução;
  • documentação;
  • traslado;
  • moeda estrangeira.

Quais os destinos para fazer esse programa?

As opções são as mais diversas, incluindo desde o velho continente (Europa) e a América do Norte até a Oceania, onde países como a Austrália e a Nova Zelândia têm despertado a curiosidade de cada vez mais interessados em viver a experiência de um intercâmbio. E os motivos para isso são inúmeros, como:

  • a qualidade de vida — os Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) de ambos estão entre os 10 maiores do mundo, tendo a Austrália em 2º (com 0,935) e a Nova Zelândia em 9º (0,913), segundo dados do PNUD Brasil;
  • o acesso a serviços públicos de qualidade, como transporte, segurança, saúde e educação;
  • o clima — que conta com as estações do ano mais bem definidas parecidas com as do território brasileiro;
  • os atrativos culturais e as opções de entretenimento e lazer;
  • a hospitalidade e a receptividade dos nativos;
  • a beleza exuberante das paisagens e dos pontos turísticos que preservam e valorizam a natureza;
  • moeda bem mais barata que dólar americano ou o euro, sendo assim, o custo se tornar mais viável.

E então, sanou todas as suas dúvidas sobre intercâmbio de férias? Pois agora é hora de começar a se planejar para garantir que essa experiência de vida favoreça não apenas o domínio de um segundo idioma e o contato com outra cultura, mas, principalmente, uma educação diferenciada capaz de abrir portas para o futuro profissional!

Para isso, é claro, não deixe de entrar em contato com uma de nossas agências para ter o devido acompanhamento, aconselhamento e suporte durante todo esse processo!

Mail